MAIS ACTUAL

Rui Costa Pinto - Jornalista/Editor/Publisher

sexta-feira, Abril 18, 2014

RTP: uma questão de transparência

Com o assalto dos ex-governantes e políticos no activo aos principais meios de comunicação social, a RTP está a ponderar suspender os comentadores-residentes durante a campanha eleitoral para as europeias. Eis mais uma medida que confirma que a nova direcção de informação liderada por José Manuel Portugal revela um rumo editorial consistente.

quinta-feira, Abril 17, 2014

Secretas: a propaganda descarada

De um momento para o outro, a transparência, o segredo de estado e a declaração de interesses dos espiões saltaram para a ribalta. É caso para dizer que, em vez do escrutínio, se passou à propaganda descarada, pelo que é de questionar se não estamos perante uma poeirada para prevenir futuros desenvolvimentos. É que passados quase três anos a maioria continua a tresandar. E depois do que aconteceu, a situação não mudou e os responsáveis pela bagunça instalada nos serviços continuam impunes. É caso para perguntar: as declarações de Teresa Leal Coelho, a propósito das ligações dos espiões aos poderes paralelos, são mesmo para levar a sério?

PM escutado

Depois das autoridades judiciais terem colocado sob escuta o telefone de José Maria Ricciardi, presidente do BES Investimento, Pedro Passos Coelho foi um dos apanhados pela investigação do processo Monte Branco. Até ao momento, aqueles que protestaram por José Sócrates ter sido apanhado no âmbito do processo Face Oculta mantêm o silêncio embaraçado. Saudades de Fernando Pinto Monteiro & Companhia?

Eureka: um português na Al Qaeda

Finalmente! Uma revelação extraordinária com capacidade para aliviar a avalanche de Cristiano Ronaldo de manhã, à tarde e à noite. Esta diáspora é outra loiça! E o que dirão os olhos do Celso?

Deputados sem lei

O chumbo de uma lei que obrigaria a limitar a promiscuidade entre a política e os negócios que reina na Assembleia da República foi chumbada pelo PSD, CDS/PP e PS. Entretanto, lá se vai enchendo a agenda mediática com o acidente, o homicida, o penalti, etc. Querem melhor definição do cancro que está a matar o país?

O crescimento, uma mística?

quarta-feira, Abril 16, 2014

Democracia viva

Das 16 candidaturas aos 21 lugares no Parlamento Europeu, destaque para os novos candidatos, de todos os quadrantes:

António Marinho e Pinto - MPT - Movimento Partido da Terra (www.mpt.pt/)

Gil Garcia - MAS - Movimento Alternativa Socialista (www.mas.org.pt/)

Acácio Valente - PPV - Portugal pró Vida (www.portugalprovida.blogspot.pt)

Orlando Figueiredo - PAN - Partido pelos Animais e pela Natureza (www.pan.com.pt)

Rui Tavares - LIVRE (www.livrept.net)

Duarte Lima: os justiceiros ao rubro

O estado da Justiça é tal que a alteração da medida de coacção imposta a Duarte Lima já levou ao rubro os justiceiros. Os próximos dias vão ser palco das maiores alarvidades. E alguma comunicação social não perde a oportunidade de as alimentar. Parece que vende...

António Barreto agita os Media

António Barreto vai deixar até ao final do mês a Fundação Francisco Manuel dos Santos. Até pode ser um mau sinal, mas muito pior seria a notícia do fim do trabalho que a instituição tem vindo a realizar. E já agora: talvez fosse interessante escrutinar quais são as «divergências» entre o sociólogo e Alexandre Soares dos Santos.

Pensão incerta



Austeridade de rosto humano

«Há ano e meio, Vítor Gaspar anunciou um "enorme aumento de impostos" (...) Em vez de mais impostos, vêm aí novas taxas».

Passos Coelho igual a si próprio

A entrevista do primeiro-ministro foi o que tinha de ser: a expressão de um discurso realista que tanto desagrada a alguns notáveis e demais pés-de-microfone cada vez mais azedos. Faltou mais para épater la bourgeoisie? Sem qualquer dúvida!

Onde estão os defensores da qualidade deste SNS?

«Espera cirurgia há nove anos».

Um monumento ao amor quotidiano

terça-feira, Abril 15, 2014

Brincar com as pensões


Governo, oposição e sociedade civil: o restart

Washington Post e Guardian vencem Pulitzer

A cobertura do caso Snowden, que revelou a espionagem da NSA, valeu o Pulitzer aos jornais The Washington Post e The Guardian.

sexta-feira, Abril 11, 2014

Avisos vindos de Angola

Numa entrevista à Agência Lusa, Justino Pinto de Andrade deixa alguns recados que deveriam ser escutados em Portugal, designadamente pelos órgãos de soberania, governo, oposição e, quiçá, alguns intermediários que circulam por aí impunemente, obviamente sempre com o nome de Portugal na boca.

«A democracia não se faz a partir da soma de ditadores»

«A relação Portugal-Angola é resultado de 500 anos de colonialismo que não conseguiram ser apagados em 40 anos pós-colonialismo»

«Quando alguém disser que teme a instabilidade no pós-Eduardo dos Santos está a assumir que o homem dirigiu o país como se fosse uma quitanda».

Democracia e eloquência

Os militares de Abril e a falsa polémica

Não há paciência para jogadas político-partidárias que não olham a meios para atingir determinados objectivos, tendo como garantido o coro de uma certa corte de esquerda. À beira de comemorar os 40 anos do 25 de Abril, o exemplo de Salgueiro Maia continua a ser ignorado por outros militares de Abril que, infelizmente, se transformaram em prima-donas.

Cinco arguidos no caso das secretas

Birras

O dê ao quadrado

A honra do senhor secretário de Justiça

Onde pára a esquerda?

quinta-feira, Abril 10, 2014

Dia Mundial do Livro com uma Maratona de Escritores

Dia Mundial do Livro com uma Maratona de Escritores
Dia 23 de Abril, na Livraria Barata (Av. Roma)

Com a presença de:
Francisco Martins da Silva (Título: "Mar de Nuvens");
Rui Verde (Título: "Angola e Dinheiro");
António Pedro Dores (Título: "Segredos das Prisões");
Sérgio Pratas (Título: "Manual do Dirigente Associativo");
João Camacho (Título: "Terrorismo em Portugal");
Isabel de Santiago (Título: "Jaca em Escamas").

À medida que as taxas de juro descem...

O PS treme. E António José Seguro está a ficar cercado interna e externamente.

Por que se cala a PGR?

Quatro dias depois do repetido incidente com as VMER, agora perto de Reguengos de Monsaraz, que resultaram na tardia assistência a dois sinistrados, que acabaram por morrer, a Procuradoria Geral da República mantém um silêncio a roçar a ignomínia. Não há matéria relevante, do ponto de vista penal, para apurar responsabilidades, para abrir imediatamente um inquérito? E ninguém se indigna com a passividade da procuradora-geral da República, quando está em causa a óbvia suspeita de negligência do poder?

Perenidades processuais

A justiça à luz do humor.

A importância da Política: a inconstitucionalidade da convergência retrospectiva de pensões

Rui Moreira: equívoco ou deslumbramento?

«A farda do motorista do presidente da Câmara do Porto».

À beira do precipício

quarta-feira, Abril 09, 2014

A dança dos comentadores

Vai ser interessante assistir ao desenvolvimento da ficção criada para encapotar a mais que previsível dança de cadeiras em relação aos comentadores/políticos das televisões.

Viver em Évora é perigoso, mas o ministro da Saúde é fantástico

VMER (Viatura Médica de Emergência e Reanimação) passou a ser sinónimo do mais recente escândalo da Saúde em Portugal.

O disparate como política

Primavera sombria



A estrada larga

«Quando lemos as declarações dos próprios artistas, dos produtores, dos promotores e tutti quanti, ficamos com a impressão de que se está a criar uma nova espécie de pidgin "literário e crítico", destinada a ser lida, citada e papagueada, e depois esquecida rapidamente para dar lugar a outra, não muito diferente, na ênfase e no estilo».

A banalização do incumprimento da lei

terça-feira, Abril 08, 2014

Portas rolantes e negócios obscuros

Pequena reflexão - Anseios e caminhos a percorrer

Paula Teixeira da Cruz já regressou, agora que o BCP já passou ?

Ao afirmar que tinha acabado o tempo da impunidade, em Portugal, a ministra da Justiça, que iludiu muitos, entre os quais me incluo, ainda não disse uma palavra sobre as prescrições do caso BCP. A visita a Angola até terá dado jeito para tentar escapar entre os pingos da chuva desta espécie de Justiça que este governo prometeu mudar, mas que não mudou.

RTP: José Manuel Portugal defende contraditório

A defesa  do trabalho desenvolvido por José Rodrigues dos Santos é a melhor forma de contrariar a guerra aberta contra qualquer jornalista que recuse ser apenas uma corrente de transmissão acéfala. Enquanto alguns se agitam com o verdadeiro contraditório, José Manuel Portugal, director de informação da RTP, afirma a linha editorial: «O modelo do programa mantém-se inalterável».

A Europa não é um bazar!

Mais uma vez Durão Barroso

segunda-feira, Abril 07, 2014

Pode alguém ser quem não é?

Notícia do dia: Tribunal Constitucional arrasa

A liberdade de imprensa assim-assim

Deputados europeus online

Uma excelente iniciativa que vai permitir conhecer melhor a opinião dos deputados europeus, incluindo os portugueses.

José Rodrigues dos Santos de pedra e cal

O jornalista continua  a ser funcionário da RTP.

Órgãos de soberania sem controlo


Seguro: antes e depois das europeias

A campanha eleitoral para as europeias está a revelar uma nova faceta do líder do maior partido da oposição. Será que depois da próxima noite eleitoral, António José Seguro vai manter o mesmo discurso radical?

Falta o dinheiro


Ruanda: ano 20

A figura da democracia

domingo, Abril 06, 2014

Presidenciais: o verniz começou a estalar

Sempre que se começam a preparar eleições, são muitas as opiniões que desta vez é que vai ser o grau zero da política. Verdade ou mentira, os putativos candidatos presidenciais já começaram a disparar por interposto órgão de comunicação social. E já nem disfarçam. Ao que me contaram, Marcelo Rebelo de Sousa até já sugere perguntas para Manuela Ferreira Leite. 

Três anos depois

José Rodrigues dos Santos: a notícia do dia

Confirmado! O jornalista da RTP não foi despedido nos últimos 15 dias! Quanto ao discurso de caserna, não vale um único comentário.

sexta-feira, Abril 04, 2014

Misérias

«A miséria eleitoral é mais ofensiva do que a miséria das ruas».

RSI-O alerta Em Portugal

«Um em cada três homicídios ocorreu em ambiente doméstico».

Erosão dos valores, crise da democracia

Mário Crespo quebra o silêncio


Agonias

«Entramos numa nova fase desta conversão da social-democracia europeia a jogar o jogo do adversário no seu campo e de acordo com as suas regras: até agora, era o campo e eram as regras da direita liberal; com Hollande e com Valls o campo e as regras são as de Marine Le Pen».

É simplesmente penoso

João Galamba, deputado do PS, merecia outra missão. Ou será que não?

quinta-feira, Abril 03, 2014

Face Oculta: mais um passo no sentido da verdade

Les fonds venus d'Angola sèment le trouble au Portugal

«Le Portugal se transforme en une machine à laver l'argent volé au peuple angolais!».

Começou a campanha


Os dados estão lançados

Maria José Morgado vs Laura Sanches na TSF

"Pais de Abril, Filhos da Democracia".

quarta-feira, Abril 02, 2014

Vítor Constâncio: uma questão de vergonha e impunidade (2)

É extraordinário! Os últimos cinco ex-governadores do Banco de Portugal saíram em defesa de Vítor Constâncio no caso BPN, numa declaração conjunta que afunda a posição do ainda vice-presidente do Banco Central Europeu. Mas ainda bem que tomaram a palavra, pois fica mais claro como tem funcionado aquela instituição que, na óptica dos ex-governadores, não tem a indeclinável e estrita obrigação de cumprir o seu papel de regulador.

República das Bananas


Ainda se lembram do Tratado de Lisboa?

São cada vez mais as vozes que criticam o funcionamento da União Europeia e a consolidação de um directório. Mas onde estavam estas vozes, em 2007, quando o Tratado de Lisboa foi aprovado?

Entre a zaragata e a algazarra

terça-feira, Abril 01, 2014

Vítor Constâncio: uma questão de vergonha e impunidade

A conferência de imprensa de Vítor Constâncio, em reacção às declarações de José Manuel Durão Barroso, é um momento que envergonha Portugal e traduz a impunidade do regime em que vivemos nas duas últimas décadas.

P. S. E o que dizer do caso BCP/Jardim Gonçalves? E de o actual governador do Banco de Portugal ter sido diretor-geral do Millenium BCP (2000-Março 2004)?

O regresso de Carlos Monjardino

O presidente da Fundação Oriente surge na cena mediática como um dos interlocutores da salvação do BANIF, depois da polémica instalada com a possível entrada de capitais da Guiné Equatorial no banco resgatado com dinheiro dos contribuintes portugueses. Quando todos pensavam nos velhos amigos de Luís "Ama(cia)do", eis que surge Carlos Monjardino a acenar com mais capitais chineses. De facto, pena de morte por pena de morte, ao menos não é verosímil que a China entre na CPLP. E, para dourar ainda mais o negócio, há sempre a salvação de mais e mais dinheiro angolano. Eis uma triste novela que até dava um livro...

segunda-feira, Março 31, 2014

Controlinveste: mais despedimentos e mais silêncio?

Depois de formalizado o negócio que permitiu a reestruturação da Controlinveste, sem que se saiba exactamente quem é quem, e donde vem o dinheiro, é cada vez mais insistente o rumor de despedimentos de jornalistas em todo o grupo (Diário de Notícias, Jornal de Notícias, O Jogo e a TSF). É caso para perguntar o que anda a fazer a ERC? E por que razão o PS meteu na gaveta a lei da transparência da propriedade dos meios de comunicação social, depois de a maioria ter desenvergonhadamente chumbado a iniciativa socialista em Dezembro de 2012. Será que já se esqueceram? Chegaram a consenso debaixo da mesa? Ou sobrou alguma coisinha?

O consenso do euro



A Guerra Fria no PS



O fósforo e a gasolina

Tempos históricos

sábado, Março 29, 2014

Barroso: começou a grande marcha para as presidenciais de 2015

Há entrevistas que dizem tudo sobre quem as dá, quem as faz e quem na sombra ainda almeja influenciar os destinos do país. É um trabalho importante, mais pelo que não diz do que pelas estafadas afirmações e boas intenções. Ainda que nalguns casos amplamente justificado, os auto-elogios de José Manuel Durão Barroso pareceram exagerados, sobretudo para quem deixa nas entrelinhas que vai deixar a vida política activa para poder descansar e reflectir.

Aniquilar o país, não!

«Não nos deixemos esmagar pelo sofrimento, pelas injustiças, pela tristeza».

Os mesmos tiques do velho PS

António José Seguro escolheu António Vitorino para mandatário da candidatura dos socialistas às eleições europeias, cuja lista é liderada por Francisco Assis. Está tudo dito sobre a mudança no PS.

Roleta russa

«Com prestações abaixo do limiar da pobreza, nossos velhos tornaram-se presas fáceis».

As raposas não guardam o galinheiro

sexta-feira, Março 28, 2014

A esquerda e os pobres

É hilariante assistir ao discurso de uma certa esquerda, agora com os pobres e os pensionistas na boca. Não obstante a imensa contradição, este discurso até pode dar um certo jeito em determinados momentos, um punhado de votos, mas será que julgam os portugueses parvos? Sem memória? Onde andava esta esquerda nos últimos anos, em que a corrupção ao mais alto nível afundava o país? A manter os ordenados, as mordomias, as negociatas e as comissões! Será que ainda não perceberam que já é tarde? Quanto maior for a radicalização, mais hipóteses tem Pedro Passos Coelho de ficar dois ou três mandatos na liderança do governo. Ups! Porventura, é a única hipótese de sobrevivência desta espécie de esquerda...

Promessas cumpridas

Alemanha e Anschluss

Há uma elite da treta que agita o fantasma do ódio em relação à Alemanha. E, agora, até já fala Anschluss, sem que seja perceptível qualquer semelhamnça com a actualidade. O direito à opinião, sempre, claro que sim! Mas é preciso dizer, sem medo, que os reaccionários nunca resistiram ao tempo. Graças a Deus!

quinta-feira, Março 27, 2014

Mário Crespo na despedida: “Deus abençoe Portugal!”

António Costa e o desespero de uma certa ala do PS

Os responsáveis pelo desastre de 2011, entre os quais António Costa, do alto de uma enorme arrogância política, não aguentam a melhoria da generalidade dos indicadores do país, entre os quais a previsão do Banco de Portugal que aponta para o aumento do crescimento do PIB.  Desta vez, o desespero chegou ao ponto de o presidente da Câmara de Lisboa (ex-número dois de José Sócrates), entre o azedume e o ódio, atacar os jornalistas económicos, classificando-os como ignorantes. Quem se seguirá?

Atenção Portugal

«O mais relevante é a dinâmica política que se está a gerar e sobretudo a percepção de que EUA e Europa são mais fortes juntos do que separados. O Atlântico vai, por isto tudo, regressar ao centro da política mundial».

O fim da escola?

quarta-feira, Março 26, 2014

Mário Crespo

O fim de mais um ciclo.

Ex-primeiro-ministro perde novamente em Tribunal

O Tribunal da Relação de Lisboa confirmou a absolvição do jornal Público no processo movido por José Sócrates, mantendo a decisão da primeira instância. Vale a pena sublinhar que o ex-primeiro-ministro volta a perder na Justiça, bem como referir o destaque dado pelo matutino a uma das passagens do acórdão: «Os três magistrados do Tribunal da Relação de Lisboa alertam para o facto de José Sócrates ter podido “corrigir as omissões ou inexactidões do artigo, em especial quanto à razão do preço praticado […], exercendo o seu direito de resposta e de rectificação” e que essa teria sido “uma forma de repor equilíbrio face ao que porventura estivesse em falta na notícia publicada”» (...).

P. S. A interrogação é incontornável: chegou a hora do ex-primeiro-ministro mudar de vida, de advogado ou de ambos?

O consenso abominável


O eco da crise

Entre as brumas da memória

Corrupção e marotice

terça-feira, Março 25, 2014

Lista do PS às europeias: aparelho e desilusão

Quando um ensaísta, como Eduardo Lourenço, aparece numa lista do PS, com candidatos ao Parlamento Europeu, depois de Carlos Zorrinho, entre outras irrelevâncias, então é caso para dizer que António José Seguro continua a ser apenas o que sempre foi. E isso é uma desilusão. Só não é um desastre porque Maria João Rodrigues e Ana Gomes estão em lugares ilegíveis.

A nova raspadinha

«O sucesso dos bilhetes da Santa Casa não é o único exemplo».

Corrupção


Social-democrata?

A diferença entre um "espaço de opinião" e um "tempo de antena"

E para quem não o viu o contraditório

O escrutínio feito por José Rodrigues dos Santos na RTP.


DIAP apanha 50 milhões a gestores do BPP

A notícia é de monta. Enquanto uns palram, outros conseguem, não obstante todas as dificuldades. Talvez fosse interessante que a direita e a esquerda, ou o que resta de ambos, tal como o governo e a ministra da Justiça, tivessem a honestidade política de vir a terreiro garantir mais meios para ser possível um verdadeiro combate contra a corrupção.

Notícias do Hollandismo

«E na primeira ida às urnas os franceses puniram Hollande, o Presidente que nesta fase do mandato tem a popularidade mais baixa na história da V República. Promessas não cumpridas, inversão do programa sonhado e as horas passadas como Don Juan da lambreta resumem as causas desta primeira volta».

BES e os escândalos

Há qualquer coisa de diferente no BES. Semana sim, semana não, lá aparecem notícias que levantam muitas dúvidas sobre a gestão do banco que se confunde com um determinado período da história de Portugal. Por que será? Azar? Perseguição? Má gestão?

Os ventos da política francesa

Para compreender melhor a política e os políticos portugueses basta olhar com alguma atenção para o que se tem passado em França. A esquerda francesa, que tudo fez para dar força à extrema direita de Jean-Marie Le Pen, desde François Mitterrand, é tão hipócrita quanto a direita de Nicolas Sarkozy, cuja política desastrosa acabou por permitir a eleição de François Hollande e consolidar Marine Le Pen. O resultado está à vista: Front National ganha espaço, até ao nível regional, perante um coro imenso de carpideiras.

segunda-feira, Março 24, 2014

Resposta de José Rodrigues dos Santos - sem intermediário

RESPOSTA DE JOSÉ RODRIGUES DOS SANTOS AOS COMENTÁRIOS PUBLICADOS NESTA PÁGINA À ENTREVISTA FEITA PELO JORNALISTA A JOSÉ SÓCRATES, NO DOMINGO, DIA 23 DE MARÇO DE 2014, NA RTP1:

Devido às minhas funções na RTP, que nada têm a ver com a minha actividade de romancista para a qual esta página foi criada, alguns leitores escreveram mensagens críticas da forma como foi conduzido o espaço com José Sócrates. Repito que isto nada tem a ver com os livros, razão de ser desta página de Facebook, mas não me importo de esclarecer dúvidas e equívocos que me parecem nascer do facto de muitas pessoas, e como é natural, desconhecerem as regras da actividade jornalística.

Uma leitora chega mesmo a perguntar em que escola aprendi jornalismo. A resposta é: na BBC. Sei que se calhar não é suficientemente boa, mas foi o que se pôde arranjar.

O que ensina a BBC? Quais as regras da nossa profissão? É obrigado um jornalista a ser sempre isento? Há ocasiões em que não deve ser isento? São perguntas interessantes e todas elas têm resposta, embora o público em geral, e como me parece normal, não as conheça.

1. A isenção de um jornalista não é obrigatória. Depende da linha editorial do jornal. Não faz sentido esperar que um jornalista do «Avante!», por exemplo, seja isento. A linha editorial do «Avante!» é claramente comunista e um jornalista que não a queira respeitar tem a opção de se ir embora. Há muitos casos que se podem encontrar de linhas editoriais que implicam alinhamentos (partidários, desportivos, ideológicos, etc).

2. No caso da RTP, a linha editorial é de isenção. Isto acontece porque se trata de um meio público, pago por todos os contribuintes, pelo que deve reflectir as diferentes correntes de opinião. Os jornalistas esforçam-se por escrever as notícias com neutralidade e, nos debates, os moderadores esforçam-se por permanecer neutrais.

3. Nas entrevistas, no entanto, as regras podem mudar. Há dois tipos de entrevista: a confrontacional (normalmente a entrevista política) e a não confrontacional. Em ambos os casos a isenção pode perder-se, não porque o entrevistador seja pouco profissional, mas justamente porque é profissional. Por exemplo, numa entrevista não confrontacional com a vítima de uma violação é normal que o entrevistador se choque com o que aconteceu à sua entrevistada. Estranho seria que ele permanecesse indiferente ao sofrimento. Não se trata um violador e uma mulher violada da mesma maneira, não se trata um genocida e uma pessoa que perdeu a família inteira da mesma maneira - a regra da isenção não se aplica necessariamente.

4. As entrevistas políticas são, por natureza, confrontacionais (estranho seria que não fossem e que jornalista e político tivessem uma relação de cumplicidade). Uma vez que o agente político que está a falar não tem ninguém de outra força política que lhe faça o contraditório (como aconteceria num debate), essa função é assumida pelo entrevistador. O entrevistador faz o contraditório, assume o papel de advogado do diabo. Portanto, o jornalista suspende por momentos a sua isenção para questionar o entrevistado. Isto é uma prática absolutamente normal. O entrevistador não o faz para "atacar" o entrevistado, mas simplesmente para fazer o contraditório. Acontece até frequentemente fazer perguntas com as quais não concorda, mas sabe que o seu papel é fazer de "oposição" ao entrevistado.

5. Dizem os manuais de formação da BBC, e é assim que entendo o meu trabalho, que o entrevistador não é nem pode ser uma figura passiva que está ali para oferecer um tempo de antena ao político. O entrevistador não é o "ponto" do teatro cuja função é dar deixas ao actor. Ele tem de fazer perguntas variadas, incluindo perguntas incómodas para o entrevistado. Não deve combinar perguntas com os políticos, mas deve informá-lo dos temas. No acto da entrevista o entrevistado "puxa" pela sua faceta positiva e o entrevistador confronta-o com a sua faceta potencialmente negativa. Espera-se assim que o espectador veja as duas facetas.

6. Uma vez apresentado o princípio geral, vejamos o caso de José Sócrates. É falso que José Sócrates desconhecesse esta minha linha de pensamento. Almoçámos e expliquei-lhe o meu raciocínio. Avisei-o de que, se encontrasse contradições ou aparentes contradições entre o que diz agora e o que disse e fez no passado, as colocaria frente a frente e olhos nos olhos, sem tergiversações nem subterfúgios, como mandam as regras da minha profissão. Far-me-ão a justiça de reconhecer que fiz o que disse que ia fazer.

7. Como todas as figuras polémicas, José Sócrates é amado por uns e odiado por outros. É normal com as figuras públicas, passa-se com ele e passa-se comigo e com toda a gente que aparece em público. Mas o que se está a passar com ele é que muita gente fala mal nas costas e ninguém pelos vistos se atreve a colocar-lhe as questões frontalmente. Fui educado fora de Portugal e há coisas que me escapam sobre o país, mas dizem-me que é um traço normal da cultura portuguesa: falar mal pelas costas e calar quando se está diante da pessoa. Acho isso, devo dizer, lamentável. Quando alguém é muito atacado, devemos colocar-lhe frontalmente as questões para que ele tenha o direito de as esclarecer e assim defender-se. Foi o que foi feito na conversa com José Sócrates. As questões que muita gente coloca pelas costas foram-lhe apresentadas directamente e ele defendeu-se e esclareceu-as. Se o fez bem ou mal, cabe ao juízo dos espectadores.

8. O caso de José Sócrates tem alguns contornos especiais e raros. Ele foi Primeiro-Ministro durante seis anos e acabou o mandato com o país sob a tutela da troika. Quando era chefe do Governo, começou a aplicar medidas de austeridade. No PEC I foram muito suaves (cortes em deduções fiscais e outras coisas), mas foram-se agravando no PEC II (aumento de impostos) e no chamado PEC III, que na verdade era o Orçamento de 2011 (corte de salários no sector público, introdução da Contribuição Especial de Solidariedade aos pensionistas, aumento de impostos, cortes nas deduções, etc). Defendendo estas medidas, afirmou em público que "a austeridade é o único caminho". Agora, nas suas declarações públicas, ele mostra-se contra a austeridade. Estamos aqui, pois, perante uma contradição - ou aparente contradição. Não tem um jornalista o dever de o colocar perante essa (aparente ou não) contradição, dando-lhe assim oportunidade para esclarecer as coisas?

9. Na entrevista não é para mim necessariamente relevante se ele tinha razão quando aplicou a austeridade ou se tem razão agora que critica a austeridade. O que é relevante é que há uma aparente contradição e cabe ao jornalista confrontá-lo com ela. Foi o que foi feito e ele prestou os seus esclarecimentos. Se foi convincente ou não, cabe a cada espectador ajuizar, não a mim. Limitei-me a apresentar-lhe directamente os problemas e a dar-lhe a oportunidade de os esclarecer. O meu trabalho ficou completo.

10. Como disse no ponto 8, o caso de José Sócrates é raro. Não é muito normal termos entrevistados com as circunstâncias dele. O tipo de conversa que era necessário para esclarecer as coisas não nasce do facto de ele ser do PS, mas das suas circunstâncias únicas. Se o entrevistado fosse, por exemplo, Ferro Rodrigues ou Maria de Belém ou Francisco Assis ou qualquer outra figura do partido, o perfil da conversa teria de ser diferente porque nenhum deles teve funções de Primeiro-Ministro durante tanto tempo e imediatamente antes da chegada da troika nem entrou num discurso tão aparentemente contraditório como José Sócrates. São as suas circunstâncias específicas que exigem uma abordagem específica. Se o Primeiro-Ministro que governou nos seis anos antes da chegada da troika fosse do PSD, CDS, PCP, BE, MRPP ou o que quer que seja, e fizesse declarações tão aparentemente contraditórias com o que disse e fez quando governava, não tenham dúvidas de que as minhas perguntas seriam exactamente as mesmas.

11. No final, temos de nos perguntar: José Sócrates esclareceu bem a sua posição? Essa resposta cabe a cada um e aí não meto eu o dedo. Limitei-me a dar-lhe a oportunidade de tudo esclarecer.

12. E aquele espaço?, perguntarão alguns. É entrevista? É comentário? Boa pergunta. A minha resposta está no ponto 5.

Um abraço a todos.

José Rodrigues dos Santos
Link: https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=663444407056487&id=169045036496429&stream_ref=5

Fantástico: a espantosa crispação por causa do jornalismo

Anda para aí um corrupio de críticas à prestação televisiva de José Rodrigues dos Santos. Em Portugal, quase 40 anos depois do 25 de Abril, o jornalista que escrutina é maldito, mas o jornalista acéfalo continua a ter uma claque incondicional. Haverá melhor indicador da democracia que temos?

O fardo bancário

A prescrição de Jardim Gonçalves

Media: até nos momentos mais negros

O jornalismo é e sempre foi assim: até nos momentos mais negros há sempre uma réstia de esperança no trabalho e dignidade profissional dos jornalistas. Não vou perder, daqui a 14 dias, o espaço de opinião da RTP ao Domingo.

O momento Gaspar do PS

quinta-feira, Março 20, 2014

A humildade é a melhor aliada da inteligência

O vazio e a ficção



Portas e a sua (previsível) candidatura presidencial

«Um serviço a uma certa esquerda. À bon entendeur...».

Manifesto de esquerda: vamos ao essencial

A política, a memória e a fantochada do presente, via redes sociais, com a imprensa a ver navios. Por que será?

quarta-feira, Março 19, 2014

O Banco de Portugal precisa de terapia

«Os leitores estão cansados de saber que a austeridade fica à porta do Banco de Portugal (BdP)».

E depois do vazio da comunicação de Cavaco Silva...

Uma receita portuguesa: Arroz de Nabiças e Feijão Fradinho.

Compromisso histórico


Sócrates insanável

O mito do bom aluno


A coragem do consenso

Soares dos Santos: a opinião frontal

«Um manifesto escrito na pastelaria. Está tudo dito».

A escadaria

terça-feira, Março 18, 2014

Mário Crespo marca a diferença

Num panorama marcado por uma imprensa que já ultrapassou o nível da genuflexão, para não lhe chamar outra coisa, de destacar a dignidade profissional do mea culpa de Mário Crespo, na SIC Notícias, que admitiu o monumental erro da comunicação social ao não acompanhar o processo da prescrição do caso BCP que envolveu Jardim Gonçalves, entre outros. Entre directores de pacotilha, o futebol, o entretenimento de caserna, o infolixo e outras histórias com sotaque angolano e chinês é bem capaz de restar pouco tempo...

Medeiros Ferreira: um político que faz falta

A luta, o pensamento, a intervenção e o trato cordato (até com os jornalistas) fizeram de José Medeiros Ferreira um político com capacidade para merecer o respeito daqueles que não são nem devem nada a esta espécie de esquerda que tem condicionado a democracia portuguesa. 

Primeiro beijo


A diferença insanável cada vez mais sanável

A reunião entre o primeiro-ministro e o líder do maior partido da oposição provou que o entendimento é cada vez mais viável à medida que o tempo passa. António José Seguro começa a perceber que só pode alcançar o poder se no dia a seguir às Legislativas de 2015 estiverem afastadas as condições para um terramoto financeiro em Portugal. Pedro Passos Coelho já o tinha percebido.

A palavra do Papa

quinta-feira, Março 13, 2014

Banco de Portugal e juízes: a mesma luta

A troca de argumentos entre os responsáveis do Banco de Portugal e os juízes do Conselho Superior de Magistratura revela a impunidade que graça em determinadas instituições.

Mais milhão menos milhão

Face Oculta: missão cumprida pelo MP

Marques Vidal, procurador da República, concluiu as alegações finais, pedindo penas de cadeia para Manuel Godinho e ex-governantes.

O Parlamento dos invisíveis

quarta-feira, Março 12, 2014

Juros sobrem depois do manifesto dos 70

Com este PS, refém de gente com azia, cujo umbigo é maior do que qualquer ponta de vergonha e sentido de Estado (o verdadeiro, não aquele que serve para encher os cofres pessoais e dos partidos!), vale a pena imaginar o que pode acontecer em 2015, antes das eleições Legislativas.

Vale a pena abrir uma Caixa de Pandora?

Um manifesto, mais um, desta vez assinado por 74 personalidades, reabriu o debate da necessidade da renegociação da dívida. É um gesto de cidadania, que encerra o melhor da participação individual, mas pode ter outras leituras bem menos abonatórias.
Ainda antes de dar um passo no sentido de um entendimento entre as maiores forças partidárias, que permitiria aliviar os juros, logo diminuir o sofrimento dos portugueses, valerá a pena abrir a Caixa de Pandora? 

P. S. A propósito, como está a decorrer a partilha, perdão, o processo de negociação entre o PSD e os PS relativamente aos investimentos a realizar nos próximos anos? Quando o consenso toca ao plim não há ideologia que resista?

Passos Coelho sobre o manifesto dos 70

Carta a uma Geração Errada

O manifesto da frente soarista

Face Oculta: Offshores e prendas de luxo

Há notícias e notícias. E processos judiciais e processos judicias. Eis uma frase, proferida por Marques Vidal, procurador da República, em sede de audiência do julgamento do caso Face Oculta, que deveria ser inscrito no frontispício de todas as instituições governamentais e públicas : «Em três anos, [Manuel] Godinho gastou mais de 170 mil euros com governantes e empresários».

70 alunos de Sócrates

Pareceres à medida

A fragata russa "Azoff"

terça-feira, Março 11, 2014

Face Oculta: MP pede condenação

Marques Vidal, Procurador da República, vai pedir a condenação de 34 pessoas e duas empresas

39 anos depois: o silêncio?

Parece haver pouca vontade para comemorar a data do 11 de Março de 1975. Será que o foguetório fica adiado para 14 de Março?

Manobra de diversão ou decisão imposta pela opinião pública?

Quando eu dizia 20 anos

A factura do monumental embuste de 2005 a 2011 começa agora - só agora! - a ser compreendida. Os oportunistas do costume, alguns dos quais continuam a debitar palpites com passadeira vermelha, sorriam quando se dizia que seriam precisos mais de 20 anos para regressar à normalidade. Hoje, também começa a ser cristalino que tal só será possível se tivermos juízo.

segunda-feira, Março 10, 2014

Notícias, processos e manobras - o caso BCP

Uma velha história

A justiça da prescrição

Fascínio tecnológico