MAIS ACTUAL

Rui Costa Pinto - Jornalista/Editor/Publisher

sexta-feira, fevereiro 05, 2016

Rui Pereira: um mundo extraordinário

O julgamento do ex-espião, Jorge Silva Carvalho, não pára de proporcionar verdadeiras pérolas da maior arrogância, ilegalidade e impunidade. Um dos mais recentes exemplos partiu de Rui Pereira, ex-ministro da Administração Interna e ex-director do SIS, cujo testemunho é tão extraordinário quanto grave. E por isso merece a maior atenção e reflexão: “legítima defesa” e “estado de necessidade” nas secretas? Quem o define? Com que fundamento legal? E, já agora, quem o controla? 

Austeridade mascarada

«Hoje é o dia em que vamos conhecer todos os pormenores do Orçamento».

1/4 de século para o lixo!

A operação da PJ


A reinvenção de Passos

Esperar para ver

«O único slogan que resta a Passos Coelho».

Soltem os prisioneiros


quarta-feira, fevereiro 03, 2016

PCP: afinal ainda há as secretas

Depois do silêncio tumular do Bloco Central (PSD, PS e CDS/PP) sobre a balburdia que tomou conta das secretas, e que foi varrida para debaixo do tapete durante as duas últimas campanhas eleitorais, o PCP volta a carga, novamente, provando que ainda tem memória. Pode ser que António Costa tenha um tempinho para olhar para esta questão de Estado. E que a generalidade da imprensa tenha um espacinho para informar os portugueses.

Tentar mudar

O governo falhado

Adágio europeu

terça-feira, fevereiro 02, 2016

O homem certo no lugar certo para levar isto de novo para o buraco

Aumentos milionários


O pior é precisar deles


Miguel Relvas, diz-lhe alguma coisa?

«Banco Efisa, diz-lhe alguma coisa?».

segunda-feira, fevereiro 01, 2016

A queda de António Costa

Pouco mais de dois meses depois da formação do XXI governo constitucional são cada vez mais as previsões da data da queda de António Costa. Mais curioso ainda é a especulação que tem vindo a ganhar terreno: depois de adoptar um par de medidas populares e de provocar eleições antecipadas, António Costa alcança a maioria absoluta. Se isto não é confundir a realidade com o desejo, então só pode ser uma anedota digna dos tempos que estamos a viver.

E se não houver segundo resgate?

Para lá do possível

Jogo de mãos

«Sem folga orçamental e sem possibilidade de reverter a reversão prometida aos eleitores e aos partidos de esquerda de cujo apoio depende, resta a António Costa e a Mário Centeno o clássico jogo de mãos em que com uma delas se tira o que se deu com a outra…».

Milagre de São Excel

O governo de Costa ou de Sócrates?

As trapalhadas registadas na elaboração do Orçamento de Estado de 2016 começam a ser más de mais. As incongruências e os truques, sempre os truques, sem uma linha coerente de racionalidade, fazem recordar outros tempos idos. Aliás, não faltará muito tempo para descortinar até que ponto a formação do XXI governo constitucional foi alinhavada fora de São Bento e do Largo do Rato.

A prova que trama Sócrates


As leituras de Lenine

O orçamento Photoshop

quinta-feira, janeiro 28, 2016

Costa a vergar ou o suicídio do PS?

António Costa prometeu bater o pé a Bruxelas. Mas depois do puxão de orelhas de Bruxelas, o primeiro-ministro tenta desvalorizar a humilhação política pública com questões técnicas. E o PS, continua em silêncio. Será que também é só uma questão técnica?

terça-feira, janeiro 26, 2016

Portugal a caminho da tempestade perfeita

Se António Costa tivesse ganho as últimas legislativas seria possível dizer que mentiu ao país, pois as principais linhas do Orçamento de Estado para 2016 comprovam que o tempo novo é ainda de austeridade. O problema é que o líder do PS perdeu as eleições. E de derrota eleitoral em derrota eleitoral, de táctica em táctica, de truque em truque, sempre com a mesma arrogância política, continua a governar como se fosse plausível ignorar os sinais de alarme que já começaram a soar. Ora, enquanto os líderes do PSD e do CDS/PP se remetem a um silêncio envergonhado, lá sabem o que fizeram, a realidade está aí: a agência Fitch anunciou que não acredita nas previsões do governo quanto ao crescimento e ao défice. E já ameaça descer o rating.

Costa. De derrota em derrota até à vitória final

A primeira grande mentira do Groucho Marx das Finanças

segunda-feira, janeiro 25, 2016

Presidenciais 2016: a derrota dos ex-presidentes

Ramalho Eanes, Mário Soares e Jorge Sampaio impuseram Sampaio da Nóvoa ao PS, mas os portugueses escolheram Marcelo Rebelo de Sousa. Conclusão: o apoio dos ex-presidentes passou a valer menos. 

António Costa: chegou a hora da definição no PS

O primeiro-ministro português chegou ao poder depois de um desaire eleitoral. E averbou a segunda derrota nas urnas com a eleição de Marcelo Rebelo de Sousa. Depois de atingir 32,31% nas últimas legislativas, os dois candidatos presidenciais do PS somaram 27,13%. Em risco de mais uma tempestade financeira, António Costa ainda vai ter de enfrentar a definição interna no PS.

P. S. Os candidatos presidenciais que se manifestaram contra o sistema político mais os votos brancos e nulos atingiram os 8,96%. Só falta desvalorizar a abstenção de 51,16%.

Marcelo, Nóvoa e os outros

Glória sem poder

Marcelo Rebelo de Sousa: presidente 16 anos depois

A demissão da liderança do PSD, em 1999, depois da ruptura com Paulo Portas, que acabou com a reedição da Aliança Democrática, foi um dos momentos mais dramáticos a que assisti na política portuguesa. Marcelo Rebelo de Sousa fez o que devia. E continuou a  fazer o seu caminho. Ontem, 16 anos depois, chegou a vitória política. Curiosamente, ao mesmo tempo que Paulo Portas já anunciou a saída de cena.

quinta-feira, janeiro 21, 2016

Tribunal Constitucional: a revisão constitucional urgente

A última decisão dos juízes do Tribunal Constitucional sobre as subvenções vitalícias dos ex-políticos é muito mais do que uma vergonha nacional. É a prova da necessidade de uma revisão constitucional urgente .

quarta-feira, janeiro 20, 2016

A República dos tesos a fazerem figura de ricos

Era uma vez um Portugal republicano...

Subvenção para a vida

segunda-feira, janeiro 18, 2016

O informador

Maria José Morgado: o novo desafio

Presidenciais 2016: a primeira vitória

As candidaturas de Paulo Morais e Henrique Neto já conseguiram uma enorme vitória: a corrupção entrou no discurso de campanha eleitoral e já fez saltar vários coelhos da toca.

Adeus a 2015… bem-vindo, 1984!

Seis dias para fazer política

O vírus da Banca


Voltas

«Quem sabe estas eleições ainda poderão vir a tornar-se interessantes?».

Sem-abrigo despejado


Revoluções

sexta-feira, janeiro 15, 2016

‘Modas’ e meios


Pobres alunos


Convicções educativas

quinta-feira, janeiro 14, 2016

As vítimas de 'Charlie'

A voracidade da RTP


Não delegar

quarta-feira, janeiro 13, 2016

António Costa: entre o folclore e o abafamento

Barack Obama: e Guantanamo continua

Ainda não foi desta que Barack Obama anunciou o encerramento de Guantanamo.

A prova real da troika


terça-feira, janeiro 12, 2016

Um herói nunca morre

«David Bowie há muito conquistou a eternidade».

O candidato, o comentador e o só-Marcelo

Os salteadores da pátria perdida

Um governo fofinho

segunda-feira, janeiro 11, 2016

Presidenciais 2016:cidadania iguala sistema

O arranque da campanha eleitoral para as presidenciais de 2016 fica marcado por 10 candidatos dos quais cinco são verdadeiramente o espelho da cidadania independente de partidos, instituições e demais barões. Cândido Ferreira, Henrique Neto, Jorge Sequeira, Paulo Morais e Vitorino Silva podem não ser os melhores entre os melhores cidadãos portugueses, e até podem desagradar à corte do Terreiro do Paço, mas estão a cumprir a fundamental obrigação de abordar temas que viraram tabu. E até podem decidir se há uma ou duas voltas...

Futebol e crime organizado


Calma, sr. ministro


Patuscada presidencial

«O PCP, que apoia o Governo, até já o acusou de seguir a "política do antigamente". Muito provavelmente, o próximo presidente vai confrontar-se com um governo paralisado por falta de apoio parlamentar e seria bom sabermos como pretende lidar com isso».

A orgia de Colónia

Uma no cravo, outra na ferradura

sexta-feira, janeiro 08, 2016

China: Causeway Books

Meritocracia ou clientelismo?

As presidenciais

2015


Marcelo Rebelo de Sousa: acabou o passeio

O debate entre os dois candidatos institucionais marcou uma viragem na campanha presidencial. Pela primeiravez, Marcelo Rebelo de Sousa foi fortemente "desmontado" por Sampaio da Nóvoa.

P. S. Paulo Morais irrita os protagonistas partidários e os oráculos da classe política com a sua campanha de luta contra a corrupção. É sinal que está no caminho certo.

Caridade cristã


A palavra do ano

quinta-feira, janeiro 07, 2016

2016: início de ano empolgante

Com a campanha das presidenciais portuguesas em marcha, em que as únicas surpresas têm sido Paulo Morais e Henrique Neto, o ano de 2016 arranca de uma forma empolgante na China, com os tombos das bolsas de Hong Kong, Shenzhen e Zangai. António Costa não podia esperar melhor...

Costa já só pensa em eleições

«Costa terá de compensar a falta de votos no hemiciclo com o alargamento da base eleitoral. Isso justifica a aceleração da agenda, que não é “para a década”: é de “tudo para todos”».

Há mais lixo que tapete

A conta, por favor


segunda-feira, janeiro 04, 2016

Pensar dá trabalho

Regresso ao passado

Portugal de burca


No reino do terror

Pretexto sagrado

quarta-feira, dezembro 30, 2015

Utopia de desejos

Os donos do jogo


2016 vai ser bem pior do que 2015, o ano do golpe

Lusofobia

Fábulas de velhice

«O que têm Han Solo, Marine Le Pen e António Costa em comum?».

terça-feira, dezembro 22, 2015

2015: mais um ano para não esquecer

O Natal de 2015 será marcado por mais uma "prendinha", chamada BANIF, que nos vai custar mais de 3 mil milhões de euros. Tal como no passado, em relação a outras "surpresas" de banqueiros que nunca passaram de bancários, muitos vão berrar e protestar, outros tentar branquear o mais de que evidente saque a céu aberto. Quanto tempo ainda vai durar a mitomania profissional ao serviço da política e o exibicionismo processual penal para tornar complexo o que é de uma simplicidade cristalina?

BANIF: Bloco Central dos negócios está vivo

Não foi preciso muito tempo para comprovar que o Bloco Central (dos negócios) está vivo e bem vivo, não obstante o folclore do governo da união das esquerdas. A resolução do BANIF, com encargos multimilionários para os contribuintes, não deixa quaisquer dúvidas. Tal e qual como como o anunciado voto contra do PCP ao orçamento rectificativo. Quanto ao Bloco de Esquerda, ou o que resta dele, vale a pena esperar...

Santander: entre swaps e saldos

O contencioso entre o Banco Santander e o estado português por causa dos famigerados swaps parece não ter atrapalhado a compra do BANIF. E até pode ser que não atrapalhe a compra do Novo banco. A anunciada comissão parlamentar de inquérito tem muito trabalho pela frente, desde logo chamando a depor os protagonistas do Banco de Portugal e do Bloco Central dos negócios. E amigos não faltam...  

segunda-feira, dezembro 21, 2015

Heranças

Portuguese vão pagar caro a cegueira ideológica de Costa

O "entertainer"

A conta da banca


Lula, PT & Vivo


O novo normal

Os jogos não estão feitos

sexta-feira, dezembro 18, 2015

O homem que fala sempre sozinho

O poder oculto

Portugal na crise europeia

Cabeça perdida


quarta-feira, dezembro 16, 2015

Os vistos e os escondidos

Os mitos de Sócrates


Mentiras


terça-feira, dezembro 15, 2015

Joana Marques Vidal: o dever de informar

Joana Marques Vidal, procuradora-geral da República, não pode ficar em silêncio depois das declarações de José Sócrates à TVI. Só a verdade, a informação e a prestação de contas podem vencer o terrorismo, seja ele qual for.

Sócrates esteve uma hora sem falar nos crimes

«Ex-governante desafia procuradores e acusa-os de terrorismo».

Operação Marquês. José Sócrates diz que MP se move por 'ódio pessoal'

Sócrates diz-se vítima de "ataque pessoal" e "campanha de terror"

sexta-feira, dezembro 11, 2015

Século XXI - A Idade dos Paradoxos

Benfica e NOS: negócio de futebol ou de Estado?

É um daqueles negócios que parece interessar a todos: a quem paga, a quem recebe, aos bancos e até à comunicação social para vender mais exemplares e aumentar as audiências. Mas será que é só assim?

Fretes

Areias movediças

Austeridade: é oficial

António Costa, 15 dias depois de tomar posse, lá teve de tornar a austeridade oficial para poder cumprir a meta do défice. Em causa está uma derrapagem da ordem das décimas para atingir a meta dos 3%, situação bem diferente daquela registada em 2010.

quinta-feira, dezembro 10, 2015

Um novo início

Saber dizer "não"!

Pobre economia


Operação Lava Jato


Venezuela beligerante

quarta-feira, dezembro 09, 2015

O predador

«Os cinco anos meteóricos de Sérgio Monteiro, gestor, facilitador, governante. Sob a capa da competência técnica, a eterna confusão entre o público, o privado e os escritórios de advogados que, sendo privados, trabalham para ambos».

O assalto já começou, a factura vem logo a seguir

Corrupção é crime


O assalto

A flor e o oceano

«Uma só força vence a gloriosa misericórdia: a soberba. Esse é o terrível pecado dos fariseus: a cegueira de se sentir sem pecado, a arrogância de se fazer justo e juiz, a loucura de desdenhar a misericórdia».

segunda-feira, dezembro 07, 2015

A Justiça sob escrutínio


Costa, o pai natal


Nó górdio europeu

O call center de São Bento